Biotecnologia além do coronavírus

Biotecnologia

Com a chegada da pandemia da covid-19, a medicina e suas soluções passaram a ter mais destaque na agenda das pessoas. Um dos assuntos nesse contexto é a biotecnologia.

Por Guilherme Ferreira Luz*

Trazendo a definição da ONU, “biotecnologia significa qualquer aplicação tecnológica que utilize sistemas biológicos, organismos vivos, ou seus derivados, para fabricar ou modificar produtos ou processos para utilização específica”.  Em outras palavras, é a ciência que, a partir de organismos vivos, consegue criar produtos para otimizar o modo que vivemos, mesclando conhecimentos acadêmicos, experimentação e inovação.

Apesar de aparentemente se tratar de uma área vanguardista, a biotecnologia começou muito antes do que se imagina. Já era presente em processos de fermentação de bebidas alcóolicas, posteriormente utilizada na fabricação de vinagres, queijos e pães. Quem avançou nesse assunto foi Louis Pasteur, no século XVII, ao descobrir, através do microscópio, os microrganismos que provocavam a fermentação. Outro grande marco para a biotecnologia e para a medicina foi a descoberta da penicilina em 1928 por Alexander Fleming.

De lá pra cá muito se avançou. Atualmente a biotecnologia é responsável por grande parte das tecnologias biológicas hoje existentes, que vão da saúde humana até o meio ambiente: sequenciamento genético para a compreensão de genomas, produção de fármacos e vacinas para salvar vidas, biorremediação ambiental para recuperação das áreas degradadas, melhoramento genético para melhorar a condição biológica produtiva no campo e até mesmo biologia sintética para novas soluções inovadoras.

E agora, em 2021, com o novo coronavírus, como a biotecnologia pode ajudar ao combate da pandemia? Além da resposta óbvia da vacina, a biotecnologia tem o potencial de atuação em muitas frentes como métodos de diagnóstico e também o desenvolvimento de novas moléculas com potencial terapêutico para a COVID-19; mas uma delas merece uma atenção de destaque: tecnologias virucidas para redução da capacidade de contaminação do Sars-CoV-2.

Atualmente, após um ano de incidência da pandemia no Brasil, já compreendemos um pouco mais de como se comporta o novo coronavírus humano. Sabemos que máscaras são eficientes, que ambientes fechados e pouco ventilados podem ser perigosos, que o isolamento social é fundamental e que álcool em gel são altamente virucidas e salvam vidas; mas será que poderíamos ir além? Será que poderíamos tornar superfícies, tecidos e ambientes mais seguro nesse momento? Essa é uma pergunta que a biotecnologia brasileira tem se debruçado para compreender.

Novos produtos para combater o vírus causador da Covid-19

Através de longos processos de pesquisa e desenvolvimento, profissionais de biotecnologia tem se debruçado no desenvolvimento de novos produtos para tornar a infecção pelo Sars-CoV-2 menos provável, e de um ano para cá, uma série de novos produtos comprovadamente virucidas tem entrado na casa dos brasileiros e brasileiras.

Novas formulações virucidas em spray, como caso da VistoBio, para aplicação na pele e que eliminam o mau cheiro; novos purificadores de ar, como caso da SterilAir , podendo tornar seus ambientes mais seguros contra vírus e ácaros; novas formulações poliméricas para transporte coletivo, como o caso da Caio Induscar, que tem tornado os assentos e revestimento de seus carros mais seguro para os passageiros; entre muitos outros exemplos que poderiam aqui ser citados.

Essas empresas compreenderam que apenas os conhecimentos tradicionais de engenharia e química não poderiam mais ser suficientes para lidar com um momento complexo quanto o que vivemos, e deste modo, somaram forças com profissionais altamente qualificados de biotecnologia para desenvolver novas soluções poderosas no combate ao coronavírus.

A biotecnologia está na vanguarda do conhecimento humano e, em momentos de crise sanitária, assumir as rédeas da biologia é uma questão de sobrevivência. Apenas por meio de uma ciência ousada e inovadora é que conseguiremos sair mais fortes desse momento trágico.

 

*Guilherme Ferreira Luz é CMO da CROP – e-mail: crop@nbpress.com

 

Sobre a CROP

CROP Biotecnolgia (Consumable Rengineered Organomolecules Pharming) é a primeira startup de biotecnologia a transformar a abordagem para doenças crônicas e de relevância, facilitando e promovendo adesão do usuário aos produtos, por meio do desenvolvimento de soluções inovadoras, trazendo a biotecnologia para perto de quem precisa e buscando solucionar os problemas atuais da área. Atuam em parceria com a Fapesp, Hospital das Clínicas de Botucatu e a Unesp. Já trabalharam com clientes como Kimberly-Clark, VistoBio, SterilAir e Grupo Caio. Para mais informações, acesse https://www.cropbiotec.com 

 

Informações à imprensa

NB Press Comunicação 

Tel.: 55 11 3254 6464 – 55 11 96631-9819 – 55 11 96586-0961 

E-mail: crop@nbpress.com 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Microviolências

Microviolências

*Por Ronaldo Ferreira Júnior   Você sabe qual é o animal mais perigoso do mundo? Se sua resposta foi um dos “big five” que povoam o